Pads na dose certa são uma bênção, na dose errada começa a incomodar

0

Vamos perturbar nossos worshipeiros de plantão, pois que nunca na ausência de teclado e uma estrutura de banda mais consistente não deu aquela exagerada nos pads para cobrir os gaps da banda.

Me considera levemente culpado por ter usado e abusado por um tempo dos pads e principalmente por ter criado um site para fornecer gratuitamente pads (https://worshippadsfree.com/), mas sempre tomei o cuidado de usar pads diferentes entre as músicas para deixar menos carregado, pois particularmente sempre achei um pouco enjoativo o uso exagerado, é difícil se sentir satisfeito depois de 30 a 40 minutos ouvindo o mesmo pad.

Os pads e o worship tendem a levar os músicos para a zona de conforto, sejam pela simplicidade das músicas ou pelo similaridade entre as músicas, mas existe uma dose da preguiça dos músicos e cantores, tocar estilos mais elaborados pode dar um pouco de trabalho.

Não da para comparar com bandas que trabalham comercialmente o worship, veja a Bethel, eles vendem o worship, mas se observar encontrará músicos excelentes, que no momento da Bethel tocam o que precisam tocar, porém em projetos paralelos se apresentam de forma mais elaborada demonstrando seu potencial.

Peguem por exemplo a Steffany Gretzinger, uma das ministras da Bethel, no seu álbum Blackout é apresentado uma dinâmica diferente, mais rica em arranjos. No Brasil gosto da Central 3 que traz de vez em quando umas músicas interessante, peguem por exemplo a Cordeiro e Leão.

Estaremos caminhando para uma estagnação musical se nos rendermos a preguiça e a falta de dinâmica nas músicas, não duvido que em breve veremos músicas apenas com o pad ao fundo sem nenhum outro instrumento.

Se observar verá que as músicas que fazem mais sucesso e que sãos as mais procuradas dentro do worship são majoritariamente traduções de músicas de fora, estamos com dificuldade até para compor músicas de adoração. Faça o teste, se em sua comunidade tocam muito worship, verifiquem de quem são as músicas e verá muita coisa de fora.

Os pads não são os culpados, são um reflexo de algo que vem ocorrendo nos últimos anos.

Precisamos criar um ambiente propício a criatividade, precisamos ensinar nossos ministros como fazer poesias, voltar as aulas de português começando pelas rimas e evoluindo para estruturas mais complexas de poesias.

Precisamos explorar mais os sinônimos, não precisamos lançar 10 músicas com o mesmo título, temos uma bíblia com uma grande quantidade de temas para serem explorados e nos limitamos a tão poucos. Gosto muito de falar de Jesus, sua obra e sobre o Espírito Santo, mas podemos ir além, explorar outros aspectos da obra de Cristo sobre toda a Bíblia.

Musicalmente, diminua um pouco os pads, experimente mais nos ensaios, se permitam errar e testar novos riffs, misture ritmos, pesquise e estude, quando estiver maduro leve para o culto e surpreenda a igreja.

É um convite para sairmos da zona de conforto e explorarmos todo o potencial da música.