Você pode estar se limitando a uma bolha social! Cuidado para não ficar preso as opiniões de sua bolha social.

0

Ao mesmo tempo em que a internet possibilitou o livre acesso à informação e ao compartilhamento de ideias, com a evolução das redes sociais e o uso de algoritmos para entregar aos seus usuários o que procuram com maior precisão, passamos a ver cada vez mais informações, vídeos, postagens e pessoas que pensam exatamente como nós, fazendo parecer que o seu pensamento é o dominante, que todos ao seu redor pensam como você.

Como as plataformas de redes sociais monetizam através da retenção, ou seja, quanto mais tempo manter um usuário conectado maior será a chance dele ver os anúncios e até mesmo interagir com os patrocinadores. Se elas dependem da sua atenção, é crucial que passem a ofertar conteúdos que vão de encontro com o seu pensamento e te segurem o maior tempo possível.

Entendemos por bolha grupos de pessoas que se reúnem em torno de uma ideia e se fecham para o contraditório, se fechando para os que pesam diferente e chegando ao extremo de expulsar e afastar os divergentes sem uma avaliação da posição contrária.

Observamos essas bolhas fora das redes sociais, ao observar grupos mais fechados que reúnem pessoas com uma mesma visão a tendência é que aqueles os que pensam diferente da maioria sejam excluídos ou se afastem por não se encaixarem, sem o confronto de ideias e com todos concordando a tendência é que o radicalismo comece a distorcer a forma como todo o grupo enxerga o mundo.

Estas bolhas ocorrem em movimentos sociais, nas escolas, profissões (jornalismo, educação, psicologia, tecnologia), nos esportes, na política e também na igreja, ou seja, se existe um grupo de pessoas reunida e interagindo com a troca de ideias, ali haverá o potencial para a criação de uma bolha.

Bolhas podem ser positivas para o motivacional do grupo, para que as pessoas se concentrem na evolução e amadurecimento da forma como o grupo pensa e se organiza, porém a total falta do confronto e questionamento das ideias ali trabalhadas pode levar a evolução de equívocos e distorções que vão crescendo e ganhando o status de verdade absoluta.

Observamos com frequência este radicalismo crescente entre grupos políticos extremistas, que evoluem seus equívocos e ao se depararem com as redes sociais trabalhando para que os algoritmos entreguem cada vez mais conteúdos alinhados com as suas preferências, acreditarem que suas ideias são predominantes em toda a sociedade. Como cada grupo está rodeado das reações e interações de pessoas de mesmo pensamento, a tendência é uma percepção equivocada.

Tive a oportunidade de participar de vários grupos diferentes, passando por professores, músicos, tecnologia e diversas igrejas diferentes. Pude observar que mesmo dentro destes grupos existem bolhas que ao se tornarem maiores, ou seja, uma vez que detenham a maioria das pessoas começam a busca pela hegemonia de pensamento, em alguns casos com a meta de zerar grupos que pensem diferente.

A pluralidade de ideias se torna muito boa para os que têm pouca representatividade, porém ao se tornarem maiores a pluralidade se torna um incômodo, significando ter que aturar os que pensam diferente.

Viva a democracia para os que pensam como nós.

A igreja e suas bolhas

O cristãos fazem parte de um grande grupo com diversidades de ideias, por si só não é uma bolha, mas suas subdivisões são terreno fértil para bolhas dos mais variados tipos. As denominações e grupos criados nas últimas décadas se tornaram fontes ainda mais propícias ao surgimento de bolhas dominantes e que têm dificuldade em aceitar os pensamentos diferentes. Não é incomum em algumas instituições ser declarado publicamente que ali não é aceito cristãos que pensam diferente, com isso criando denominações especializadas ao atendimento de pessoas com ideias em comum, não sendo Cristo o principal motivador da sua existência.

Cristo e os evangelhos deixaram a muito tempo de serem os principais motivadores para a criação de uma nova denominação.

Estas bolhas religiosas possuem o mesmo efeito das demais, levando ao radicalismo e a acepção dos diferentes tendo como tendência por seus líderes a buscas liderados cada vez mais alinhados a suas ideias, independente delas serem ou não alinhadas ao evangelho e a palavra.

Enquanto Cristo se aproximou dos judeus, romanos, samaritanos, leprosos, doentes e pecadores, vemos uma igreja que se fecha cada vez mais e parece não ansiar por pecadores, cansados, oprimidos, órfãos e viúvas. A retórica permanece, mas de fato a porta muitas vezes se fecha, pessoas são afastadas e deixadas de lado. As igrejas que dizem em suas palavras querer se tornar parecidas com Cristo, igual a Cristo mas com certas ressalvas.

Até mesmo os discípulos quase entraram nesta de criar uma bolha, ao verem uma pessoa fora do grupo expulsando um demônio em nome de Jesus, rapidamente foram denunciar para Jesus. O que esperavam? Que Jesus o repreendesse? Cristo não o repreendeu.

"Mestre", disse João, "vimos um homem expulsando demônios em teu nome e procuramos impedi-lo, porque ele não era um dos nossos."
"Não o impeçam", disse Jesus. "Ninguém que faça um milagre em meu nome, pode falar mal de mim logo em seguida, pois quem não é contra nós está a nosso favor.
Marcos 9:38-40

Paulo orientando os irmãos sobre as contendas sobre o que comer ou não comer vem e repreende para que encerrem de forma simples adotando a postura de evitar fazer com seu irmão acabe pecando por algo tão pequeno. Porém como igreja passamos a afastar pessoas por gostos musicais, por divergências sobre a liturgia, pelo tom de voz na pregação e tantas outras banalidades, trocamos o “colocar no banco” pela indiferença e pelo distanciamento.

Não destrua a obra de Deus por causa da comida. Todo alimento é puro, mas é errado comer qualquer coisa que faça os outros tropeçarem.
É melhor não comer carne nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa que leve seu irmão a cair.
Romanos 14:20,21

No artigo “Você está preparado para as críticas?” abordamos um pouco sobre a dificuldade enfrentada com as críticas, vale a leitura.

Você pode estar se limitando a uma bolha social!

Cuidado para não ficar preso às opiniões de sua bolha social, pois é bem provável que suas crenças estejam sendo moldadas não pelo que a palavra de Deus diz, mas pelo o que a bolha onde está inserido diz. Suas crenças, princípios, valores e prioridades estão se alinhando à visão dos poucos que dominam sua bolha.

Se ninguém pode questionar e julgar o que é ensinado e vivido em um grupo à luz da Bíblia é bem provável que estejam se afastando da palavra para dar lugar às revelações e interpretações particulares, que se alinham com os desejos e anseios de seus líderes.

As bolhas tendem a afastar as pessoas da verdade e de outras pessoas.

Na música também existem bolhas

Dentro do ministério da música também encontramos bolhas, não é incomum encontrarmos grupos com líderes limitados em que seus liderados tornam-se espelhos desta liderança, passando a acreditar e seguir o direcionamento limitado.

Pude observar bolhas entre os cantores de uma determinada igreja, onde um elogia o outro, exaltando a técnica e a forma de ministrar, porém ao analisar tecnicamente o que encontramos são pessoas com pouco ou nenhum conhecimento de música, mas dentro daquela bolha todos se sentem entre os melhores. Mas isso ocorre entre músicos, bandas, ministérios e pastores, com o agravante que estes grupos mesmo dentro de uma mesma igreja possuem pouca comunicação e comunhão entre si.

Como saber se você está em uma bolha?

Se não existe divergência, não existe conflito de ideias, os que questionam são afastados ou ignorados, ninguém é incentivado a buscar conhecimento com especialistas e líderes conceituados porém de visão diferente em alguns aspectos, somente o que é ensinado na igreja, escola e cursos é a verdade, sendo desincentivado aprender em outros lugares, é bem provável que você está em uma bolha.

Você busca somente quem concorde com suas ideias, quer estar com pessoas iguais a você, é bem provável que você esteja buscando uma bolha.

Se seu líder não aceita questionamentos, não está aberto a sugestões, não ouve os que estão ao seu redor, acredita que é o único capaz de interpretar a Bíblia e receber revelações, certamente você está em uma bolha.

Concluindo

A igreja é multiforme, inclusiva, que recebe a todos que precisam de Deus, incluindo os que são diferentes e irão nos questionar.

Teremos entre nós os que comem carne e os que não comem, os que guardam o sábado e os que não guardam, os que creem no mover do espírito e os que não creem, os que usam tipos diferentes de roupa, mas todos devem estar unidos não por seus usos e costumes locais, mas unidos em Cristo e em sua palavra.

Muito do que entendemos como verdade atualmente foram estabelecidas após muita discussão, muitos questionamentos, desentendimentos entre os líderes da igreja primitiva, que buscaram estabelecer os fundamentos do que entendemos como cristianismo. Sabe Deus como estaríamos se eles tivessem se conformado com suas bolhas. Enxergar além da bolha é fundamental para o amadurecimento e autoavaliação das suas escolhas.

Que o Senhor nos ensine e nos ajude a cada dia a entender a sua real vontade.