Workshop de música, louvor e adoração da resultado? Para que serve um workshop de música, louvor e adoração?

0

Quem está atuando a muitos anos no ministério de louvor já deve ter passado por vários workshops, mas a final eles dão resultado? Pode um evento de poucas horas resolver o problema da falta de anos de estudos ou práticas equivocadas?

A minha percepção após mais de 20 anos de ministério é que os Workshops de louvor e adoração tem um resultado bem abaixo do esperado para uma boa parcela dos músicos, seja por carecer de aprender o básico de teoria musical, teologia e prática musical.

Alguns até pegam alguns macetes aqui e outro ali, mas acabam esquecendo alguns depois e outros não sabem como aplicar no dia a dia, porém a boa música não vive só de macetes e um ministério sólido e maduro menos ainda, pois requer um amadurecimento regado com muito conhecimento musical, teológico e treino.

Para que serve um workshop?

O site da PUC Goias traz a seguinte definição:

Se você jogar a palavra workshop em um site de tradução, verá que, em português, ela significa oficina. Embora seja uma transposição bem resumida, ela está correta. Isso porque o workshop é um tipo de evento que combina conhecimentos teóricos e práticos.

O workshop, portanto, é um modelo de treinamento que tem um tema específico e pessoas interessadas em aprender sobre ele e desenvolver habilidades relacionadas.

O workshop não tem duração longa. Ele é mais extenso do que uma palestra, por exemplo, mas não tão profundo quanto um curso. Geralmente, o workshop é realizado em um único dia, em até oito horas.

Fonte: https://ead.pucgoias.edu.br/blog/workshop-planejar-evento

Bons workshops possuem temas específicos, e acredite, louvor e adoração não é um tema específico, é uma área muito ampla tecnicamente e espiritualmente.

Até existem workshops mais genéricos, ou seja, que tratam em poucas horas muitos assuntos tendem a ser mais comerciais ou que buscam dar um leque de opções para que os ouvintes busquem mais detalhes depois, o que para empresas que apresentam um produto que certamente atrairá consumidores faz todo o sentido, porém dentro do contexto da Igreja não me parece uma boa ideia, considerando uma boa parcela dos músicos estão sem tempo, sem condições financeiras de investir ou simplesmente acomodados.

Por exemplo: fabricantes de mesas de som buscam fazer workshops para apresentar suas novas mesas ou famílias de mesas (que compartilham características) com o intuito de demonstrar as funções de seu produto, seja para novos clientes ou operadores de som. Em geral estes workshops tendem a partir da premissa que os participantes já saibam operar mesas de som, pois é impossível ensinar em 8 horas técnicas de mixagem e operação de som, o foco acaba sendo apresentar o que o produto difere dos concorrentes o que ele faz de diferente em relação a uma mesa comum. Alguns fabricantes oferecem separadamente cursos para iniciantes ou indicam escolas/professores que possam oferecer um currículo mais amplo.

Workshop não é um curso

Um workshop não consegue substituir um curso mais amplo, é pouco provável que alguém consiga aprender toda a teoria musical participando apenas de workshops. Se pegarmos apenas o tema teoria musical, considerando uma aula de 4 horas por semana, sem entrar no mérito de algum instrumento específico, demandará alguns meses de aulas. Em uma faculdade de música que dura 4 anos se estuda teoria em todos os anos.

Se você é líder de louvor ou pastor e carrega a ideia equivocada que encontrará um iluminado capaz de ensinar violão, guitarra, contrabaixo, teclado, canto, teologia, operação de som, iluminação, técnicas de banda e como falar e se portar em público em um único workshop, sinto em lhe dizer que será um tempo e provavelmente dinheiro desperdiçado.

Agora se você quer motivar e incentivar, apresentar os caminhos possíveis que os participantes saibam por onde começar, onde buscar o conhecimento, acredito que um workshop genérico possa até ser útil.

Efeito placebo

É muito comum convidarmos para ministrar o workshop alguém que o lider, pastor ou ministério admira, e quase sempre este participa de um culto ministrando após o workshop ou até mesmo permanece para se apresentar no culto de domingo. Quando isso ocorre a sensação é que após o workshop algo ficou diferente, e este efeito permanece por alguns dias, o que participaram com a sensação que agora sabem mais e serão músicos melhores, os que não participaram mais souberam do evento, ficam com a impressão que agora o ministério irá decolar, mas em ambos os caso é bem provável que seja apenas um placebo.

Se considerarmos que encontramos muitos músicos que aprenderam conceitos equivocados, usam técnicas pouco eficientes ou até mesmo se viraram para aprender como foi possível e estão a anos tocando ou cantando, nestes casos pode-se demorar meses ou até anos para corrigir estes equívocos, algo que não se pode resolver em workshop.

Quando o foco não é a música

Alguns workshops tem a música como pretexto, porém o foco é passar alguma mensagem, resolver alguma insatisfação do pastor ou líder do ministério, seja para moldar os músicos segundos seus costumes ou liturgias, porém vejo que a maioria não faz ideia se de fato estão tendo resultados musicais. Se no final conseguirem que os músicos parem de ir ao banheiro durante a pregação o resultado é mais do que satisfatório.

Estes eventos acabam gerando mais frustração para os músicos e muitas vezes até tendo o efeito contrário devido a insatisfação, a sensação de que foram enrolados.

Qualquer um pode ministrar um workshop?

A resposta curta é não.

Com frequência vemos pessoas sem preparo, com conhecimento e didáticas duvidosas ministrando workshops. O fato de alguém tocar bem um instrumentos não o torna automaticamente um bom professor, além de agregar o risco de trazer outras tantas arestas mal aparadas, resultando em comentários e opiniões desastrosas que levarão dúvidas aos participantes.

O pior cenário é trazer alguém que irá ensinar conceitos ou técnicas erradas, o que pode ser até prejudicial para a saúde, podendo trazer para quem canta por exemplo problemas irreversíveis.

Na dúvida, sugira aos músicos que no que tange a parte técnica, se inscrevam em uma boa escola de música, já no que diz respeito a parte espiritual, que participem da escola dominical ou façam um curso teológico.

Se sua igreja estiver próxima a igrejas que possuam cursos, ministérios mais estruturados ou escolas de música, use sem medo.

Como promover um bom workshop de louvor e adoração?

  1. Reúnam os líderes e músicos para identificar os problemas e dificuldades dos membros do ministério e busquem direcionar os workshops para a direção destes pontos levantados;
  2. Definam o objetivo do ministério, o estilo musical e formato de trabalho, de preferência em grupo, isso facilitará na hora de decidir quem trazer para ministrar ou até mesmo direcionar quem for realizar a ministração. Você não terá bons resultados se o foco do líder é ter um ministério voltado para o black/soul, o resto da banda quer rock e vocês trouxerem um expertise em worship, é preciso que a maioria entenda qual o caminho será seguido e trabalhem juntos no mesmo sentido;
  3. Escolha se possível um problema específico ou alguns problemas (interligados) que você queira resolver. Ter um ministério de louvor melhor não é um problema específico. Ter um workshop de técnicas para cantar afinado acaba sendo um tempo melhor aproveitado;
  4. Se possível escolha um tema e público específico. Existem alguns treinamentos que podem até se aplicados para todo o ministério, um deles são temas ligados a teoria musical, teologia e comportamento;
  5. Não use o workshop para lavar a roupa suja, se precisar fazer isso, faça uma reunião em um dia e horário específico, e por favor, não terceirize a bronca, que o Líder ou o Pastor usem a reunião para expor suas ideias e insatisfações. Se estas ideias forem ruins, aprendam a lidar com elas e as consequências;
  6. Busque pessoas preparadas e que possuam de fato uma didática de ensino;
  7. Se for possível, contrate esporadicamente um produtor musical para avaliar e orientar os músicos. Saiba mais em https://pt.wikipedia.org/wiki/Produtor_musical;

Sugestões de cursos:

Abaixo apresento alguns cursos e plataformas que se usadas com sabedoria podem ter um bom resultado para seu ministério: