Início Blog O que é um louvor ungido? Louvores ungidos!

O que é um louvor ungido? Louvores ungidos!

0

Definir um louvor como ungido é uma tarefa complicada, não existe um parâmetro claro para ajudar, dependente muito do gosto musical da igreja, pastor, membros, músicos e ministros. Não posso afirmar que existam consensos ou uma base bíblica, o que temos são canções mais populares, dentre elas aquelas que os vários grupos detentores da verdade absoluta sobre o que é espiritual ou não conseguem ter a mesma opinião. Sim, pura opinião!

É mais um texto desprovido de bases bíblicas, porque não há base para isso, se eu tentar usar um texto será de um malabarismo enorme, para no final ter que pedir para usarem o bom senso (em falta em muitas igrejas).

É difícil separar o gosto musical

Afirmo que em grande parte a causa desta confusão vem da formação escolar e musical da população, mas não é uma verdade absoluta, vemos pessoas bem esclarecidas dentro do meio tradicional que falam (desculpe a expressão) asneiras similares, querendo definir o grau de espiritualidade de uma música.

Em pouco mais de 25 anos (em 2019) de trabalho com música observei alguns parâmetros usados para tentar definir o grau de espiritualidade, cada um ou mais destes parâmetros são usados por cada um dos grupos, de tradicionais, reformados, pentecostais, neopentecostais, carismáticos, ortodoxos, entre outros.

  • Gosto musical;
  • Preconceito musical;
  • Arrogância intelectual;
  • Letras com jargões clássicos, associados ao poder;
  • Capacidade da melodia em emocionar a pessoa;
  • Capacidade da música levar a pessoa ao encontro com lembranças associadas ao “mover” ou “poder”;

A gramática não colabora com os irmãos

Em geral nas igrejas usamos o termo ungido para definir alguém ou algo que foi separado para algo, enquanto na música usamos o termo para definir uma música que causa maior impacto espiritual, para definir o grau da manifestação do Espírito Santo. Embora não haja uma definição formal para o uso do termo na música, podemos entender sua aplicação pelo uso popular.

Dizer que uma música foi ungida ou é ungida, quer dizer que ela foi separada para algo ou um propósito, mas não é um hábito ungir uma música, não existe uma prática para tal fim, seria mais coerente dizer que ela foi santificada ou separada para uma finalidade, pois dizer que algo foi ungido sem passar pelo ritual do derramamento de óleo é para lá de estranho.

Significado de Ungido
adjetivo
Aquilo que se ungiu; que recebeu unção.
Fomentado ou umedecido com unguento.
Que obteve extrema-unção; que foi.
Purificado através de óleos sagrados.
adjetivo
Diz-se daquele que recebeu as ordens do bispo.
Diz-se de quem foi sagrado.
substantivo masculino
Eclesiástico ou soberano que foi sagrado.
Etimologia (origem da palavra ungido). Part. de ungir.

https://www.dicio.com.br/ungido/

Gosto, experiência pessoal e emocional pesam muito

Desculpe, mas não vou conseguir colocar aqui uma afirmação que ajude a você jogar na cara do seu irmão que aquela sua música preferida é mais ungida que a que ele escolheu.

Não vou chover no molhado, já temos aqui no site vários artigos falando sobre estilos musicais, onde enfatizamos com bastante clareza que não há base bíblica para afirmar que um estilo musical ou instrumento moderno são os mais espirituais, onde procuramos deixar claro que a Bíblia sempre mostrou ter outras prioridades em relação ao gosto musical dos irmãos.

No famoso dia de pentecostes, onde os apóstolos e discípulos de Cristo recebem o Espírito Santo, é possível observar que não apenas os que buscavam ao Senhor, mas todos os que estavam próximos puderam testificar o mover do Espírito Santo, foi algo incontestável, indo além do gosto e do emocional dos que estavam ali. São raras as músicas ou momentos que observamos fenômenos espirituais de tal magnitude.

Você não gostar de Rock ou New Metal irá com certeza impedir que aprecie a música e o que ela oferece, quantos jovens se deleitam e afirmam sentir a presença de Deus ouvindo Oficina G3 ou aqueles outros que se deleitam com os pentecostais da Lauriete.

Entenda, se você não gostar do estilo musical, não se identificar como aquele grupo se veste, fala, pensa, que ruídos são feitos, velocidade, complexidade sonora, você dificilmente irá sentir algo especial. Conheço pessoas que não conseguem compreender a complexidade de algumas músicas e para elas se tornam músicas barulhentas. Outros terão seus ouvidos excessivamente apurados, o que impedem de apreciar estilos mais simples.

Não tente evangelizar ou impactar espiritualmente um lavrador de 60 anos, que passou sua vida toda ouvindo moda de viola, que todas as suas lembranças, o momentos mais marcantes da sua vida foram ao som de uma viola e de rimas sertanejas, não existe Worship, Rock, Forró ou Vanerão que convença este coração, suas raízes estão prezas, e isto NÃO É UM PROBLEMA, de forma alguma.


O nosso inimigo entende a importância do gosto musical e não do despreza, ele vai a frente da igreja ceifando almas. Ele entendeu que as pessoas são diferentes e que precisa fornecer músicas para cumprir seus objetivos usando todos os estilos, enquanto os crentes, espertos, espirituais, cheios do conhecimento tentam empurrar goela abaixo seus gostos e limitações musicais.

Melkih Oliveira

É normal confundir o gosto e o emocional com o espiritual, o que não é um grande problema, não há nada de errado em você se identificar mais com um estilo do que com outro, o erro está em querer impor seu gosto aos outros.

Pude presentar momentos bem peculiares e ver que o gosto musical é visivelmente influente. Em várias oportunidades participamos de vigílias de louvor e oração, onde intercalamos as apresentações musicais com bandas pentecostais. Nosso estilo predominantemente sempre foi voltado para o Worship, pop e pop rock, e durante a apresentação a parcela da igreja que gosta dos estilos que tocávamos estavam visivelmente envolvidos e participando, enquanto os que gostavam do pentecostal quietinhos, sem nenhum aviãozinho ou “rajada de fogo”. Bastava a banda pentecostal pegar e iniciar o forró para a situação se inverter, os que gostavam mais do POP e Worship ficam quietos e quase que instantaneamente os demais entravam no “poder”, ou seja, agora a música ungida está tocando, então agora posso receber a unção.

Preconceito

A ignorância e o preconceito são cruciais para o surgimento de linhas de pensamentos esquisitas, grande parte do preconceito vem da falta de conhecimento ou de um conhecimento adquirido de forma equivocada.

O preconceito fez o Brasil andar de 10 a 20 anos atrasado (dependendo a cidade ou comunidade) até meados dos anos 2000, deixando igrejas a mercê das limitações musicais e intelectuais de seus líderes. Demoramos para nos atualizar e adotarmos tecnologias, atrasando o uso da bateria, guitarras, baixos, entre outros equipamentos, puramente para agradar pastores e famílias que detinham o poder dentro das comunidades.

O nosso inimigo adorou esta postura da igreja, porque ele adotou todas estas almas que não encontraram abrigo dentro das igrejas.

Basicamente, se não está entre os estilos, instrumentos e vestimentas aprovadas pelo clérigos, líderes e afins, está fora da lista de coisas espirituais, e aquele que quer fazer parte do meio tem que se adaptar e aceitar o que é imposto, ou seja, se sua música e gosto não se encaixa, não é espiritual.

Arrogância intelectual

Não deveria, mas ocorre este tipo de coisa dentre as comunidades e igrejas que reúnem grupos mais preparados intelectualmente, o que prova que qualquer um pode agir como um completo imbecil (leia o significado aqui antes e falar ou pensar besteira: https://www.dicio.com.br/imbecil/), do mais humilde ao mais intelectual.

São dotados de títulos e diplomas, que se acham os únicos capazes de determinar qual a verdade absoluta, e sempre que você tem dentro da liderança mentes perturbadas por seus egos, certamente ouviremos pensamentos estranhos ao aceitável.

Alguns sequer cogitam a hipótese da existência de músicas ungidas, ou seja, canções que possam fazer parte de um mover sobrenatural do Espírito Santo, como se o mesmo pudesse se limitar aos desejos de um grupo ou de outro.

Outros se apegam ao gosto as músicas mais clássicas oriundas da idade média europeia ou da MPB brasileira, e tudo que for diferente é classificado como inadequado. Tanto conhecimento e pouquíssima capacidade de perceber e aceitar que o mundo é cheio de cores, sons e cheiros, e que isto foi criado por Deus para louvor de Deus.

Letras e jargões clássicos

Mais aparente nas igrejas pentecostais e neopentecostais, um fator que pode ser determinante para classificar uma música como ungida é a quantidade de frases de efeito, jargões populares presentes. Se a música conseguir atender a expectativa da pessoa, atribuindo a ela poderes ou promessas que possam massagear seu ego, com certeza ela entrará na lista das mais ungidas.

Se trouxer músicas com letras que elas não entendam, com certeza não haverá o envolvimento, e a percepção será de que a música é menos ungida ou não tem unção alguma.

E por último, o emocional

Eu acredito que passamos a maior parte do tempo de nossa vida espiritual nos baseando ou limitados em nossas emoções, nossa fé e conhecimento, o que não entendo como um mal por si só, desde que estejamos sempre na busca por crescer e amadurecer, no tempo certo alcançaremos a plenitude da vontade de Deus. Até que cheguemos lá, vamos dependendo da graça de nosso Senhor.

O emocional atual fortemente na igreja, mas a igreja tem dificuldade em aceitá-lo. Para os pentecostais por achar que é uma fraqueza, pois tudo deve ser “no Espírito”, e para os mais tradicionais pela emoção tirar a lucidez, atrapalhando a tomada de decisão, sem nenhum dos dois lados pararem para observar que esta postura é baseada no emocional extremamente polarizado.

A emoção é uma grande aliada da música, andam lado a lado, por isso é tão fácil confundi-la com a “unção”.

Vejo com frequência pessoas se derramando em lágrimas ao ouvir canções que marcaram fases da sua vida, e na música seguinte fecharem seus corações por não se identificarem com o estilo, letra ou sons emitidos. Como o grupo foi espiritual antes e agora não? Pecaram no intervalo de uma música para outra? É óbvio que não.

Precisamos amadurecer com urgência

Já foi pior no passado, estamos melhorando, mas ainda temos muita gente preconceituosa e limitada, que precisam amadurecer, se desprender das amarras da ignorância, sejam em igrejas mais humildes ou mais intelectuais, esta sina com o gosto musical ronda todos os tipos de igrejas.

Este artigo não tem o objetivo de dizer, agora toquem de tudo em todas as igrejas, de forma alguma, acredito que cada “tribo” terá seu estilo próprio, seus gostos, e cada um deve procurar se encaixar onde se sentir melhor, mais aceito, representado musical e intelectualmente.

Temos que acabar com esta prática de líderes e influenciadores de impor suas vontades sobre os demais, de reprimir pessoas com potencial para outros estilos musicais. Ao invés da igreja ficar de pirraça, devemos crescer, incentivar o novo, aquilo que é sadio, dentro dos preceitos cristãos, deveríamos estar um passo a frente de nosso “inimigo”, não correndo atrás das novidades muitas vezes roubadas através da vida de músicos cristãos que perdemos para o mundo.

O que poderia então ser uma música ungida

Baseado na minha experiência eu definiria da seguinte forma:

Uma música ungida é uma canção capaz de levar seus admiradores ao êxtase, seja ele emocional, espiritual ou cognitivo, que os façam se sentir mais próximos do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Tecnicamente:

Uma música ungida é uma canção provida de elementos que agradam a maioria do público em uma apresentação, usando letras, harmonias e melodias capazes de criar o engajamento emocional destas pessoas, evitando o uso de elementos, instrumentos ou arranjos que possam desviar a atenção.

Dicas finais

  • Se não sabe, não fale até ter certeza;
  • Música ruim não precisa ser ungida para sabermos que é ruim, basta ouvir;
  • Se a música não te arrepia, não traz os jargões que você gosta ou não fala o que você quer ouvir, não quer dizer que é menos ungida;
  • Se não gosta de um ritmo, fica em silêncio e deixa quem gosta ouvir;
  • Não vem com aquela retórica de vou orar para ver se é de Deus, pois o Espírito Santo normalmente usa sua capacidade intelectual e conhecimento adquirido (leitura) para orientá-lo, e se for pouco, acredite, ele não terá como te orientar;
  • Entenda de uma vez, você é em grande parte um ser emocional, DEUS te criou assim, ele te deu a emoção;

No louvor, Unção ou técnica? Qual a prioridade de uma banda/ministério de louvor?

Antes de continuar, temos um artigo bem interessante sobre o tema “Técnica ou Unção, qual a prioridade de um ministério” e toda a confusão que causam dentro das bandas.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
%d blogueiros gostam disto: